25/07/2017

UMAS FÉRIAS DE SONHO

– Tive umas férias de sonho.
– A sério?
– Nem queiras saber, fui para uma estância paradisíaca. Aquilo é de cortar a respiração.
– Ai é? Mas quando é que foi isso?
– Em Agosto, não posso gozar noutra altura, por causa do maldito regulamento.
– Eu vi-te aqui a trabalhar em Agosto durante todo o mês. Foste ao fim de semana?
– Claro que não, um fim de semana não dá nem para a gente se instalar, quanto mais gozar férias. Estive aqui porque tinha serviço atrasado e não me apetecia fazê-lo, por isso contrariei-me e está pronto quando vim do gozo das merecidas férias.
– Então como é que te divertiste tanto, se não saíste daqui? Isso é alguma novidade de realidade virtual?
– Nada disso, onde é vais buscar essa fantasia toda? Roguei o Anacleto Sacras para as gozar por mim enquanto fiquei aqui a pôr tudo em ordem. É um «bon vivant» e sei que nunca me meteria em apuros. Posso até afirmar que ele gozou à grande por mim e por ele. Sabes como ele é, alguém que se diverte com qualquer coisa, até com aquele pacote turístico horroroso que tinha comprado em promoção. Ele é um sacana que tira proveito de todas as situações. Não exigiu mais nada do que o contratualizado com a agência.
– Mas, se não estavas lá como é que podes ter-te divertido?
– Sujeitou-se por mim ao longo e fatigante voo de ida e regresso e tirou aquelas fotos todas que publicou no meu Fakebook. Toda a gente assumiu que eu estivesse lá, mas não estava. Estava no meu sossego, sem alterar a minha dieta nem me confrontar com as excentricidades de países estranhos, enquanto alguns me davam os parabéns cheios de despeito por todo aquele gozo que ostentava nas fotos de praias e montanhas, pores de sol e outros artifícios usados para cativar turistas incautos. Não me podia ter divertido mais ao evitar todos os transtornos e incómodos de viajar. Para os outros eu estive lá, não estando. Quem lá esteve por mim divertiu-se mais do que eu me divertiria, dando a entender que fui eu que me diverti.
– Fantástico! Como é conseguis-te que ele te fizesse isso?
– Pedi-lhe. É isso que faz, goza as férias, faltas e licenças às pessoas. Ainda não tem licença para poder gozar a reforma, por causa da papelada toda que é precisa e da lentidão dos serviços. Porquê? Precisas de alguma coisa dele? Eu tenho o contacto dele.
– Tinha a esperança que ele me pudesse cumprir dois meses de prisão efectiva que apanhei, é a terceira vez que sou apanhado sem carta e agora como não tenho dinheiro para a multa, tenho que ir dentro, aos fins de semana, que é a altura de que mais gosto e em que posso descansar. Ainda pedi ao advogado para fazer um requerimento ao juiz para cumprir a pena durante a semana, em horário laboral.
– E o Juiz?
– Não aceitou, considerando que aquele regime não era o mais adequado para o caso. Eu já faço isso voluntariamente todos os dias, por isso não sentiria a punição, que era isso que poderia querer evitar. Se, ao menos se pudesse pescar na prisão, nem que fosse aos fins de semana, não me importava de ir, sempre seria um entretém, mas sem as canas fica difícil, senão impossível, suportar um fim de semana encarcerdo. Talvez o teu amigo me pudesse ajudar?
– Indo à pesca?
– Não!!! Eu referia-me à possibilidade dele me substituir na cadeia. Mesmo sendo tão dotado, dificilmente conseguiria pescar tão bem quanto eu e portanto daí não me adviria vantagem nenhuma. Se bem percebo, esse tal de Anacleto é capaz de encontrar divertimento nas situações mais exasperantes, talvez pudesse encontrar graça numa estadia gratuita no cárcere. Recompensa-lo-ia com a felicidade de continuar a ir à pesca.
– Concordo que é uma proposta arrojada e decerto Anacleto não desdenhará de analisar em toda a extensão e com a adequada atenção o desafio que comporta a tua proposta. Não é que duvide da sua extrema adaptabilidade para as situações mais extremas. É que há aspectos práticos a resolver para ser possível comprometer-se a cumprir o acordo. Seria preciso ludibriar as autoridades prisionais, alargando o horizonte da legalidade. Não da realidade, pois não seria uma incógnita troca de reclusos que prejudicaria alguém, mas as autoridades são inflexíveis em algumas questões legais. embora pudesse lucrar com doses de descontracção que Anacleto lhe proporcionaria  com a sua inestimável presença . De qualquer maneira o que há a fazer é ir falar com ele. Quanto é que tens que te apresentar?
– No próximo fim de semana, logo quando vai dar na televisão o Campeonato Mundial de Pesca à Pluma.